quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Ruralista foge de debate na TV

Integrante da CNA abandonou gravação de programa da TV Justiça depois de exibição do documentário “O veneno está na mesa”, de Silvio Tendler

Por Maria Mello, no Brasil de Fato, via VioMundo, com os meus pitacos usuais

Um episódio estarrecedor marcado pela falta de respeito à democracia e ao livre debate de ideias provou, mais uma vez, que os ruralistas não têm como defender o indefensável.

Na tarde desta terça-feira (06), um dos representantes da Campanha contra os Agrotóxicos e Pela Vida no Distrito Federal e integrante do SINPAF, Vinícius Freitas, participaria da gravação do programa “Meio ambiente por inteiro”, da TV Justiça, em Brasília, para debater o problema do aumento do uso dos agrotóxicos no Brasil. Além de Freitas, a produção do programa convidou também o integrante da Confederação da Agricultura e Pecuária no Brasil (CNA) José Mário Schereiner para expor a visão da entidade em relação ao tema.

Após serem recebidos pela equipe do programa, os debatedores foram informados da linha de condução das perguntas. No roteiro da entrevistadora, a primeira pergunta seria direcionada ao ruralista e afirmava ser utópica a possibilidade de acabar com o uso de agrotóxicos no país.

No início da gravação, a jornalista apresentou os participantes e chamou o VT de um trecho do documentário “O veneno está na mesa” [disponível aqui - O Caraíba], recém-lançado pelo cineasta Silvio Tendler e que ganhou repercussão nacional, que serviria como pontapé inicial para o debate.


Antes que a transmissão do trecho do filme terminasse, porém, um dos três assessores de Schereiner que acompanhava a gravação dentro do estúdio correu até a apresentadora e determinou a interrupção do andamento do programa. “Não sabíamos que vocês iriam exibir esse filme, podem parar”, bradou o assistente.

O dirigente ruralista, por sua vez, passou a argumentar de forma agressiva com a equipe de jornalistas que não continuaria com a gravação e que não estava ali “para que seus filhos o vissem como assassino”.

No intuito de garantir o debate, a produção se desculpou e propôs que a exibição do VT fosse excluída, o que de pronto foi negado por Schereiner. O grupo deixou o local alegando “insegurança” para continuar a gravação.

“Lamentamos não ter podido promover um debate saudável sobre um assunto tão importante para a população. Continuamos à disposição do programa e da sociedade brasileira para ouvir e argumentar”, afirma Freitas.

Por fim, o programa não foi gravado, mas a produção do “Meio ambiente por inteiro” afirmou que pretende convidar novamente o SINPAF para debater o tema.
_____________________________
_____________________________

Pitaco d'O Caraíba

Este diletante blogueiro tem seu lado verde. (E por isso jamais votaria na Marina)

Mas, devo dizer, um verde-maduro. Não caio no verdismo ingênuo dos ambientalistas para os quais preservação no dos outros é que é refresco. 

Estas Ongs de idoneidade altamente questionável, como o Greenpeace, que ralham contra o código florestal aqui não o fazem em seus países de origem. 

Óbvio, não?!

Enfim. . .

Mas eis que, num destes dias rotineiros de trânsito parado em SP, este nada diletante motorista tentava fazer a raiva pela perda de tempo (no trânsito) passar ouvindo a CBN - a rádio que troca a notícia, como bem lembrou PH Amorim.

E lá diziam, como se fosse uma grande novidade: a causa de 80% do desmatamento na Amazônia é resultado da atividade pecuária.

Ah! carapálida! Só agora eles descobriram isso???

E ainda tem gente perdendo tempo discutindo Belo Monte. 

(Sobre Belo Monte eu já escrevi aqui, faz um tempo. E minha opinião sobre o caso ainda é, infelizmente, a mesma.)

Agora, pergunto-lhes: qual a entidade que luta contra Belo Monte e que defende a pecuária na Amazônia??? 

A CNA!!!! - não a escola de línguas. . . 

A Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária - órgão indireto de representação do DEMO (o partido, não o cramunhão).

Vejamos: são contra Belo Monte e não piam contra a pecuária. . .  hmmmm
Interessante, carapálida. . .

Nenhum comentário:

Postar um comentário