quarta-feira, 27 de abril de 2011

Desafio da Democracia - II

Por parte daqueles que viveram sob regimes totalitários, havia muita desconfiança quanto ao governo que comandava a nação, a suspeita de estarem sempre sendo vigiados, além da noção de que não sabiam verdadeiramente o que se passava na região, tomava conta da população. O desejo pela liberdade era grande, não por si só no âmbito literal da palavra, mas era realmente uma busca pelo "esclarecimento". Essa sim era a real liberdade almejada, ninguém quer ser privado do conhecimento.
Na prática, com o fim de um regime totalitário, é grande a sensação de liberdade, de poder político, e realmente a tal diferença, entretanto quando, por direito, passamos a saber mais sobre a política que governa o mundo, percebe-se a existência de um oligopólio que, de certa forma, controla as ações que tomamos, desta vez subjetivamente levando um "cidadão" a pensar, erroneamente, que é emancipado politicamente.
Cabe à democracia, ser um governo imparcial, que torne sua população "esclarecida", ou seja, é preciso lhes dar emancipação política. Este no entanto é seu maior desafio, visto que é dado às pessoas, também, o direito de serem diferentes econômica e socialmente manter um padrão econômico superior. A melhor arma para efetuar isto é através da palavra. Descoberta feita rapidamente com o advento da sociedade, tornando improvável a imparcialidade.
O meio de evitar tal imparcialidade, por sua vez é através de participação política igualitária. Proporcionar meios para que todos possam brigar, de maneira igual por seus direitos, é fundamental.

__________________________________
__________________________________

Texto redigido por Guilerme Feitoza, 17 anos, guarulhense.

Nenhum comentário:

Postar um comentário